terça-feira, 12 de julho de 2011

O circo chegou e com ele o espetáculo!

A sociedade do espetáculo e a influencia nas igrejas
...vaidade de vaidades! Tudo é vaidade Eclesiastes 1:2

Recentemente chegou um grande circo de renome internacional na cidade. Os outdoors e as propagandas na televisão insistentemente anunciam grandes espetáculos. O picadeiro transforma-se em um grande caldeirão de emoções. Habilidosos malabaristas que se torcem e retorcem em treinados e flexíveis corpos, palhaços engraçados e desastrados que arrancam rizadas, os carismáticos cães adestrados que pulam e se espremem em pequenas caixas em troca de recompensas (petiscos), trapezistas que prendem o fôlego da plateia em suas arriscadas manobras nas alturas, mulheres alvo de atiradores de facas, comedores de chamas e o perigoso globo da morte tudo em nome do espetáculo.

Assentar-se confortavelmente e seguro deliciando-se com pipocas, guloseimas e refrigerantes e ser surpreendido a cada instante com uma nova apresentação é a ordem do espetáculo.

Guy Ernest Debord escritor e pensador francês em seu livro A Sociedade do Espetáculo afirma: “Toda a vida das sociedades nas quais reinam as condições modernas de produção se anuncia como uma imensa acumulação de espetáculos. Tudo o que era diretamente vivido se esvai na fumaça da representação”.

Tudo em nossos dias tem que se tornar um grande espetáculo, para isso, é necessário que todos os sentidos e sentimentos sejam explorados até o ultimo instante, é um mundo de prazeres e ilusões.

Os espetáculos estão instalados em nossa geração de forma intensa e pragmática, isto é, há uma necessidade urgente de espetáculos de tal maneira que não se consegue viver socialmente sem eles.

Atividades que ha alguns anos eram realizadas em família como pique niques de forma simples hoje exige uma nova dinâmica de entretenimento tentado evitar o “tédio”.

As brincadeiras precisam de uma dose de espetáculo de admiradores e fãs, os jogos de computadores recheados de efeitos especiais e músicas reforçam a nova doutrina do espetáculo.

O estranho, o bizarro, o inusitado, o confuso, as esquisitices, as polêmicas, a exploração da miséria e a dor do semelhante servem de combustível para os espetáculos que nutrem fogueiras fúteis da vaidade humana.
Entre o explícito e o oculto o trabalho artístico no circo visa claramente o reconhecimento do artista que busca o aplauso de sua plateia isso é honesto, sincero e nobre. Difícil é compreender cristãos que se agradam do espetáculo e trazem o circo para dentro da igreja afirmando que estão fazendo para Jesus em busca de gloria própria.
O mundo e seus valores servem somente para ele e os que estão no mundo não se interessam em igreja. O grande problema está naqueles que afirmam que são filhos de Deus e cobiçam o mundo. O espetáculo chegou às igrejas pelas mãos de pessoas que tinham a responsabilidade de zelar, cuidar para que o povo não ficasse sob opressão de valores mundanos. Hoje os cultos estão carregados de todos os tipos de espetáculos, coreografias, teatros, danças litúrgicas, pantomimas, shows religiosos e pirotécnicos com overdoses maciças de sentimentalismos e vaidades. O culto que é prestado aos homens é mais honesto praticado dentro de um circo, pois as motivações não estão sendo escondidas com desculpas esfarrapadas é a explicita busca da glória própria através do espetáculo .

Afirmar estar na igreja com o propósito de adorar a Deus com as motivações do espetáculo no coração é prestar um falso culto ao Senhor.
Rev. Sandro M. Viana

Licença Creative Commons
A obra A sociedade do espetáculo e a influencia nas igrejas foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em www.sandroviana.com.

Você entende o que canta?

"Música para compor o ambiente Música para escovar o dente Música para fazer chover Música para ninar nenê Música para tocar...