terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Entre magos e reis uma reflexão sobre o Natal

Os magos ou mágicos não eram nem judeus e nem cristãos poderiam ser no número de 12 a 11, porém pelos presentes dados uma lenda datada de 735 D.C descreve três reis magos. Melchior homem idoso, de cabelos brancos e longas barbas que ofereceu ouro como presente. Gaspar seria jovem, sem barba e de compleição vermelha, ofereceu incenso; Baltazar de pele negra e barba cerrada ofereceu mirra. 

A estrela não era o cometa Halley, mas poderia ser uma conjunção dos planetas Júpiter e Saturno fenômenos estudado pelo cientista Johannes Kepler. 
Os magos por serem astrólogos quando perceberam a primeira formação dos planetas no oriente foi há sete meses por três horas antes do por do sol gastando cinco meses ou mais  para irem de Babilônia a Jerusalém.
Belém, o nome significa casa de pão, o que indica a fertilidade da região. Uma cidade que ficava a poucos quilômetros ao sul de Jerusalém. Foi descrita Efrata para não ser confundida com outra cidade chamada de Belém que localizava-se em Zebulom (Josué 19.15).

Herodes não era um prenome de uma pessoa e, sim, um nome de família. Pertencia a todas as gerações da casa ou dinastia dos Herodes. Não eram judeus, mas indumeus. O rei Herodes, o Grande, filho de Antípater era um obstinado e sádico assassino. Reinou sobre os judeus por 36 anos. Ordenara a morte dos filhos e de sua esposa favorita Mariamne. Todos os profetas já anunciavam o nascimento do messias, porém a nação de Israel foi lembrada pelos gentios que seguiam uma estrela. Herodes busca entre os principais sacerdotes no sinédrio alguma informação sobre o nascimento de Jesus o Cristo. 


Deus em seu imenso amor moveu planetas e homens para anunciar o maior de todos os eventos da história humana! Em meio ao ódio humano em dias de perseguições, morte de crianças, num ambiente político e religioso corrompido, Jesus resplandece desde seu nascimento como a esperança que brilha sobre todos os homens alcançando magos, reis sábios, simples, pobres, assassinos e gentios, isto é toda a raça humana! O nascimento de Cristo fez nascer a vida e gerar adoradores verdadeiros, pois os falsos já estavam reinando.

É por isso que trocar o significado real do sentido do Natal é ter o mesmo intento de coração como do assassino Herodes! Querem matar o Natal quando colocando figuras patéticas e insignificantes diante da manjedoura como: Papai Noel, duendes, árvores o desejo incontrolável pelo consumo de coisas. Para alguns é a oportunidade se embriagarem e praticarem todos os tipos de torpezas. Neste dia de celebração do Natal é dia de reconciliação entre você e Deus através do filho, Jesus Cristo! Refletir sob a divina luz do Espírito Santo diante da manjedoura adquirir sabedoria e compreensão do amor e deixarmos os propósitos tolos de insensatos herodianos. O que não tem faltado são intrusos ou bicões na festa do nascimento de Cristo ou você virá como os magos ou como Herodes! 

Rev. Sandro M. Viana

Licença Creative Commons
Entre magos e reis uma reflexão sobre o Natal de Sandro M. Viana está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://www.sandroviana.com/2013/12/entre-magos-e-reis-uma-reflexao-sobre-o.html.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://www.sandroviana.com/.

Você entende o que canta?

"Música para compor o ambiente Música para escovar o dente Música para fazer chover Música para ninar nenê Música para tocar...