quinta-feira, 22 de maio de 2014

O fariseu e a publicana (A vaidade religiosa)

Há uma parábola que hoje ecoa sobre a história de duas pessoas que foram ao Congresso Nacional para defenderem a causa das crianças e dos pobres.
Um era um santo pastor e a outra uma apresentadora acusada de meretriz por seu passado.

O pastor, sentado, assim argumentava consigo mesmo: Ó Deus, graças te dou que não sou como os demais homens, roubadores, injustos, adúlteros, nem ainda com esta promíscua mulher. Jejuo duas vezes na semana, e dou o dízimo de tudo quanto ganho.

Mas a mulher ao ouvir insultos sobre o seu passado, estando sentada de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas acenou com um coração, dizendo: Ó Deus, sê propício a mim, pecadora!

Digo-vos quem destes voltou justificado para sua casa? Porque todo o que a si mesmo se exaltar será humilhado; mas o que a si mesmo se humilhar será exaltado.

Parabolando por Rev. Sandro M. Viana. Licença Creative Commons

Evangelho de Lucas Cap. 18.10-14

O fariseu e a publicana de Sandro M. Viana está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://www.sandroviana.com/2014/05/o-fariseu-e-publicana-vaidade-religiosa.html.

Você entende o que canta?

"Música para compor o ambiente Música para escovar o dente Música para fazer chover Música para ninar nenê Música para tocar...