domingo, 9 de março de 2014

Mamom ou Cristo?


Indo Jesus debaixo de um escaldante sol num empoeirado caminho para celebrar a páscoa no morro do Alemão juntamente com seus amigos discípulos é parado com uma buzinada de uma luxuosa Range Rover Vogue. Dentro da pick-up está um brilhante e talentoso jovem que estudara Economia na USP mestrando em Harvard. Filho de uma tradicional, ortodoxa e conservadora família religiosa de usineiros, sempre se achou o centro das atenções acreditando que tudo orbitara ao seu redor. Em seu alinhado terno Armani fio 180 o seu Iphone não parava de tocar, pois sua agenda de compromissos era superlotada. Ao aproximar-se de Jesus diminui o som do rádio, abaixa o vidro e de dentro do veículo pergunta:

“Mestre, que farei de bom para ter a vida eterna?”

Jesus no meio da poeira levantada pela freada do carro responde: 

“Por que você me pergunta sobre o que é bom? Há somente um que é bom! Se você quer entrar na vida, obedeça aos mandamentos”. 

“Quais?”, perguntou o jovem.

Jesus respondeu:

“Não mate ninguém, não adultere, não furte, não minta, ame seus pais a ponto de honrá-los” e “Ame o seu próximo como a você mesmo”.

O jovem seguro de si mesmo num sorriso de comercial de pasta de dentes abaixa seus óculos Louis Vuitton e diz:

“A tudo isso tenho obedecido. Sou o primogênito herdeiro de uma tradicional família onde há sacerdotes e desde criança sou um assíduo cumpridor de toda a tradição da minha religião. Viajei o mundo todo! O que me falta ainda?” 

Disse-lhe Jesus:

"Se queres ser perfeito, vai, desapega e vende tudo o que tens no Mercado Livre, OLX ou Bom Negócio ponto com, e divulgue para seus amigos no Facebook e Twitter um vídeo beneficente no Youtube que você está me servindo numa comunidade dando aulas de reforço e violão em uma ONG pra adolescentes infratores e necessitados na Baixada, assim desprovido de si mesmo, gastando toda a sua brilhante inteligência, saúde e tempo servindo ao próximo terá um tesouro no céu!"  

O jovem ao ouvir as palavras de Cristo, acelerou ruidosamente o carro e retirou-se triste; porque possuía muitos bens.

Rev. Sandro Mariano Viana
Parnamirim/RN

Adaptado do texto de Mateus 19.16-22 da Nova Versão Internacional (NVI). 

Licença Creative Commons
Mamom ou Cristo? de Sandro Mariano Viana está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://www.sandroviana.com/2014/03/mamom-ou-cristo.html.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Violências um Batismo de Sangue

Acompanhar as notícias nos telejornais é como abrir um prontuário de autópsias de horrores! O grande tema em voga são as violências. Temos a certeza que há algo no mundo em que vivemos que é desumano! A lista de crimes praticados pelas pessoas a cada dia aumenta e se torna mais especializada com requintes de execuções. O desgoverno dos governos mundiais e a certeza do desamparo das estruturas institucionais colocam os cidadãos em um estado de espírito beligerante. O grande clamor social destes dias é a autotutela, isto é, a forma mais primitiva de saciar o desejo de vingança com as próprias mãos! O derramamento de sangue humano serve de combustível para inflamar as explosões de ódio e insanidade.

A dura verdade da realidade social de nossos dias é testemunhada pela crescente e vertiginosa evolução tecnológica que tem como fim principal atender aos anseios mais animalescos da vaidosa natureza humana, isto é, uma sociedade que cada vez mais vive em função da satisfação e da busca por prazeres. Proporcionalmente a evolução tecnológica a degradação moral das pessoas nos causa um assombro. O escritor bíblico Paulo afirmava em uma de suas cartas ao seu amigo Timóteo:
“Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, soberbos, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus”. 2ª Timóteo 3.1-4

O ser humano está a cada dia desumanizando-se! Criando e consumindo em sua própria cultura global de autodestruição. Comendo e bebendo de sua própria carne e sangue. A grande questão desta reflexão não possui um espírito niilista, mas um olhar criterioso e sóbrio diante dos fatos que são cinicamente escamoteados com o desejo de promessas vazias que algum dia este triste quadro desesperador possa mudar.  Como?

O Planeta Terra está ruindo por um câncer que o consome há milhares de anos. Se todos os recursos naturais dependessem de nossos esforços já estaríamos extintos!

A bandeira do livre-arbítrio que é apregoada como a ideologia do poder fazer o que dá na cabeça revela o quão cativa é a alma humana na sociedade do “grande olho” ou “big brother” que nos colocou num ambiente confinado onde nossos comportamentos são avaliados como hamsters sociais” observados por câmeras onipresentes 24 horas por dia. Os altos índices de dependentes em todos os tipos de drogas, sexo e compradores compulsivos de ilusões que tentam apagar suas culpas em consultórios terapêuticos através de medicações pesadas de tarja preta só mostram o qual viciáveis somos em nossa natureza! Transpomos rapidamente a fronteira de agressores para vítimas numa fuga a todo custo de assumir nossas responsabilidades das péssimas escolhas que fizemos e no final queremos celebrar!
O poeta Renato Russo em sua canção Perfeição já expunha claramente estes sintomas insanos do mundo que fazemos parte:

Vamos celebrar
A estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja
De assassinos covardes
Estupradores e ladrões

Vamos celebrar
A estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso estado que não é nação

Celebrar a juventude sem escolas
As crianças mortas
Celebrar nossa desunião
...
Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta de hospitais
...

Vamos festejar a inveja
A intolerância
A incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer a nossa gente
Que trabalhou honestamente
A vida inteira
E agora não tem mais
Direito a nada

Ao analisar o comportamento humano o que realmente vemos é uma humanidade refém de si mesma o maior medo não são de fantasmas, almas penadas, Bicho-papão ou seres de outro mundo, mas de nós mesmos, humanos! De agressores dolosos nos tornamos vitimas com síndrome de Estocolmo. 

Tínhamos medo que o Mundo se acabasse por guerras nucleares, mas estamos nos devorando a nós mesmos num real “the walking dead”.
O filósofo francês Augusto Comte cunhou a palavra “altruísmo” que caracteriza o conjunto das disposições humanas (individuais e coletivas) que inclinam os seres humanos a dedicarem-se aos outros. Esse conceito opõe-se, portanto, ao egoísmo. Traz ao conceito o sentido de solidariedade, bondade e generosidade. 

A humanidade foi criada para exercício das suas funções de convivência mútua, inteligência, racionalidade e lógica. Só os humanos possui o atributo de amar e produzir cultura. O único animal que pode se comunicar e interagir com seus semelhantes.

Diante das desordens e atrocidades humanas há um intento de colocar o Criador fora desta casa da “mãe Joana” que se tornou o Mundo. Quando os atos divinos de justiça recaem sobre a humanidade como consequências das escolhas dos homens, Deus não sai ileso de suas ações. É amaldiçoado, renegado, zombado e blasfemado.

Paulo em sua carta destinada aos cristãos que estão em Roma descreve esta condição:
“A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça”. Romanos 1.18.
“Ora, conhecendo eles (a humanidade) a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem”. Romanos 1.32

A cada dia a vida tem perdido seu valor, seu sentido e a morte tornou-se uma nova fronteira desconhecida da perigosa e frívola existência, um passaporte para o nada como se acreditassem que podem viver aqui e não lhes serão cobrados pelo que fizeram. Quanto engano!

No meio dos despojos de uma sociedade que “produz” destruição e morte há um farol que ilumina a alma humana. O grande rei Davi afirmou:
O Senhor é compassivo e misericordioso, mui paciente e cheio de amor. Salmo 103:8
...
Não nos trata segundo os nossos pecados, nem nos retribui consoante as nossas iniquidades. Salmo 103.10

Em meio às injustiças e rios de sangue o Criador tem um longo ânimo ou longanimidade frente à tamanha perversidade das criaturas.

A humanidade não mede esforços em ir à Lua, mas não consegue balbuciar “perdoe-me”!
Um antigo profeta hebreu, Jeremias já ecoava: “Assim diz o SENHOR: Executai o direito e a justiça e livrai o oprimido das mãos do opressor; não oprimais ao estrangeiro, nem ao órfão, nem à viúva; não façais violência, nem derrameis sangue inocente neste lugar”.  Jeremias 23.3

Somos responsáveis pelo Mundo que temos e o tempo todo nos é dado à oportunidade de lutarmos contra esta cultura de ódio instalada no mundo em que vivemos.

Rev. Sandro Mariano Viana (Natal,RN)


Licença Creative Commons
Violências um Batismo de Sangue de Sandro M. Viana está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://www.sandroviana.com/2014/01/violencias-um-batismo-de-sangue.html.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://www.sandroviana.com.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Os presentes de Jesus

Você já pensou nos presentes que entregaram a Jesus quando ele nasceu? 
Ouro todos nós sabemos o que é e para que serve. Um presente para um rei! 
E o incenso? Os magos o reconheceram como um sacerdote!
E a mirra? Era usado para embalsamar cadáveres. Como assim? 
Dar um presente desses para um bebê? Isso mesmo! 
Sua missão estava clara! Depois da manjedoura haveria uma cruz! A morte substitutiva. É por isso que você deve celebrar o Natal Ele se entregou por nós, nos livrando da condenação eterna!

Feliz Natal a todos os meus amigos!
Rev. Sandro M. Viana



Licença Creative Commons
Os presentes de Jesus de Sandro M. Viana está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://www.sandroviana.com/2013/12/os-presentes-de-jesus.html.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://www.sandroviana.com.

Entre magos e reis uma reflexão sobre o Natal

Os magos ou mágicos não eram nem judeus e nem cristãos poderiam ser no número de 12 a 11, porém pelos presentes dados uma lenda datada de 735 D.C descreve três reis magos. Melchior homem idoso, de cabelos brancos e longas barbas que ofereceu ouro como presente. Gaspar seria jovem, sem barba e de compleição vermelha, ofereceu incenso; Baltazar de pele negra e barba cerrada ofereceu mirra. 

A estrela não era o cometa Halley, mas poderia ser uma conjunção dos planetas Júpiter e Saturno fenômenos estudado pelo cientista Johannes Kepler. 
Os magos por serem astrólogos quando perceberam a primeira formação dos planetas no oriente foi há sete meses por três horas antes do por do sol gastando cinco meses ou mais  para irem de Babilônia a Jerusalém.
Belém, o nome significa casa de pão, o que indica a fertilidade da região. Uma cidade que ficava a poucos quilômetros ao sul de Jerusalém. Foi descrita Efrata para não ser confundida com outra cidade chamada de Belém que localizava-se em Zebulom (Josué 19.15).

Herodes não era um prenome de uma pessoa e, sim, um nome de família. Pertencia a todas as gerações da casa ou dinastia dos Herodes. Não eram judeus, mas indumeus. O rei Herodes, o Grande, filho de Antípater era um obstinado e sádico assassino. Reinou sobre os judeus por 36 anos. Ordenara a morte dos filhos e de sua esposa favorita Mariamne. Todos os profetas já anunciavam o nascimento do messias, porém a nação de Israel foi lembrada pelos gentios que seguiam uma estrela. Herodes busca entre os principais sacerdotes no sinédrio alguma informação sobre o nascimento de Jesus o Cristo. 

domingo, 1 de dezembro de 2013

Discurso sem prática é...

Um soldado covarde;

Um hipócrita sincero;
Um cego que guia;
Um leproso que medica;
Um louco coerente;
Um adúltero fiel;
Um mentiroso com escrúpulos;
Um tolo sensato;
Um ébrio sóbrio;
Um devoto infiel;
Um rebelde obediente;
Um livre viciado;
Um pacífico homicida;
Um malandro honesto;
Um imoral decente;
O avesso!


“Guias cegos, que coais o mosquito e engolis o camelo!” Mateus 23:24.

Rev. Sandro M. Viana

Licença Creative Commons
Discurso sem prática é... de Sandro M. Viana está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://www.sandroviana.com/2013/12/discurso-sem-pratica-e.html.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://www.sandroviana.com.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Fé de mais ou Ignorância?

Sofro muito quando escuto pessoas em suas angustiosas confissões declaram pedindo a Deus que lhes auxiliem em sua vida cristã. Pedem por sua vida espiritual rogando a Deus que lhes aumente a fé!
Fé todo ser humano tem! Basta saber para onde ela o conduz e o que ela faz de você.

Socialmente hoje a compreensão de fé é ter a não ser o que se crê! Está associada na ambiciosa e desenfreada relação mercantilista de trocas. Os homens entram com suas mais variadas intenções sacrificiais e Deus a obrigação de fazer. A fé foi taxada, quantificada, valorada do quanto se recebe. Infelizmente se você não se encaixar neste padrão de fé capitalizada você logo receberá o rótulo de fraco e sem fé.

Na contramão deste fenômeno religioso materialista a Bíblia revela homens e mulheres que foram usados por Deus eram pessoas comuns que mesmo com suas limitações e problemas entenderam que a expressão genuína de fé era obedecer somente as palavras de Deus! Não eram mega, high, super, hiper, ultra, power poderosas estrelas da fé, não batiam no peito e faziam publicidade de sua espiritualidade, simplesmente foram obedientes!
Muitas pessoas hoje sofrem por não entenderem o sentido correto da fé.
A Bíblia descreve claramente um grupo de pessoas que o mundo não os merecia! Como eram essas pessoas?

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Rótulos

Vermelho ou azul? Buda ou Cristo? Flamengo ou Vasco? Cristão ou animista? Ortodoxo ou liberal? Pentecostal ou tradicional? Ateu ou devoto? Sulista ou nordestino? Comunista ou capitalista? Zona sul ou norte? Interior ou cidade? Negro ou amarelo?

Independentemente de qual seja a sua resposta prontamente você receberá um rótulo que lhe será colado e que irá subjugar a sua dignidade reduzindo a sua personalidade o seu pensar a uma falsa e preconceituosa definição sobre você.

Lamentavelmente as pessoas são classificadas pela roupa que vestem, pela maneira como se expressam a cor da pele e socialmente nos é exigido um posicionamento para que sejamos direcionados a determinadas castas sociais, religiosas e politicas.

Não nascemos com rótulos como: Times do coração, partidos políticos e nem religião, mas somos influenciados a vida toda de forma sutil, explicita e propositalmente. Os seres humanos são por sua natureza (inata) seres religiosos, prontamente abraçaremos por influência dos nossos pais, parentes ou os mais velhos e amigos a todos os rótulos disponíveis que houver e logo se fixarão em nossas almas estigmatizando toda uma vida quer seja por intensa paixão e devoção mesmo que muitos não consigam ou saibam explicar por que torcem, creem, votam, confiam ou devotam toda uma existência.

Ironicamente nos ofícios fúnebres em cima de caixões vão bandeiras de times de futebol de escolas de sambas da profissão da instituição ou empresa que aquela pessoa mais amava. Se não fosse as circunstâncias e as oportunidades obtidas na vida as bandeiras com certeza seriam outras.

Você entende o que canta?

"Música para compor o ambiente Música para escovar o dente Música para fazer chover Música para ninar nenê Música para tocar...