Texto criado em seu contexto de época para o uso na disciplina de Ensino Religioso no Colégio Presbiteriano Simonton (Taguatinga-DF/2008) e Instituto Presbiteriano Educação de Brasília - IPEB (Guará II/2007). Tema: Violência na escola.
Para: 6º ao 9º anos. Sandro M. Viana.

Era sexta-feira, mal tinha dormido na noite anterior, acordei cedo, pulei da cama e fui direto para o meu guarda-roupa. Vesti minha melhor camisa e bermuda, calcei o meu novo tênis e coloquei o meu boné. Rapidamente tomei o café, beijei minha mãe, peguei a mochila com os livros e saí com meu skate. O dia estava iluminado, céu azul sem nuvens. O vento frio da manhã tocava meu rosto. Precisava chegar o mais rápido à escola. Em frente ao grande portão, o ônibus que iria nos levar ao zoológico já estava estacionado.
Os alunos iam chegando e aguardavam no pátio da escola. Estávamos muito ansiosos. Toda minha galera estaria lá. Logo na entrada encontrei o Fred e o Rafa, eles estavam muito animados. Percebi a agitação dos alunos aguardando o início da programação.
Fred cochichou no ouvido de Rafa:
- Vamos aprontar com o cabeção?
Rafa prontamente acenou com a cabeça concordando.
“o SENHOR não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o SENHOR, o coração.” 1Sm 16:7 ARA
No Século passado (XX) a humanidade aprendeu a voar com máquinas mais pesadas que o ar, explorou o Espaço Sideral, desenvolveu técnicas cirúrgicas complexas, criou vacinas e remédios, exterminou doenças, globalizou-se através dos satélites, porém com todo o aparato tecnológico o comportamento humano é um mistério. O filósofo francês Blaise Pascal declarou: "O coração tem razões que a própria razão desconhece"

Diariamente testemunhamos a violência urbana e doméstica expostas nos meios de comunicações . A prática de transgressões conscientes e a frieza de corações insensíveis é prova de como anda a cabeça das pessoas. O comportamento humano nunca foi tão analisado como nos nossos dias. As instituições de ensino esmeram-se arduamente na tarefa do ensino da cidadania, porém os resultados são tímidos. As injustiças sociais frutos da corrupção da natureza humana afronta diretamente a razão e a lógica. Diante deste retrato social como responder biblicamente sobre o comportamento humano?

Os estudiosos do comportamento, filósofos e psicólogos tentam explicar este comportamento transgressor. O filósofo John Locke acreditava que o homem nascia como uma lousa em branco (“tabula rasa”) de inocência. Para Rousseau “o Homem nasce bom e a sociedade o corrompe”. Com o passar do tempo essas teorias ficaram obsoletas. A Bíblia com muita propriedade trata de forma direta e clara sobre este assunto sob uma perspectiva ético espiritual relacionados com o coração. Sua natureza e as origens de todas as motivações humanas.